Saída ou permanência? As projeções da Ferrari na F1 em 2018

Muito se discute sobre a permanência ou a saída da Ferrari da divisão de elite do automobilismo mundial, a Fórmula 1, em 2018. Embora esteja colecionando algumas derrotas que não fazem parte de seu perfil vencedor há cerca de uma década, a tendência é que a escuderia continue se reforçando para que hajam melhores resultados na nova temporada. Deixar a competição, porém, não é assunto descartado.

F1 – Ferrari 2018

Em defesa da permanência, existem alguns fatores importantes a serem levados em consideração: a história que a marca consolidou no mercado não somente na elite do automobilismo, mas também no comércio de automóveis mundiais, o forte apelo emocional que a Ferrari ainda consegue causar nos fãs do automobilismo e, sobretudo, o poderio financeiro – que está diretamente atrelado com a possibilidade da entidade estabelecer parcerias positivas para se manter na disputa da Fórmula 1.

Por outro lado, alguns acontecimentos recentes indicam que há, sem sombra de dúvidas, a hipótese da escuderia deixar a Fórmula 1 a partir do ano que vem. Talvez o principal deles seja o anúncio preliminar da desistência do patrocínio que o Banco Santander oferece não somente para a equipe, mas sim para toda a competição da F1 em si.

Rumores da imprensa internacional apontam que, se isto vier a se confirmar, a permanência da equipe italiana na principal modalidade do automobilismo mundial ficará insustentável – quando também podem passar a pesar os maus resultados conseguidos recentemente.

Mesmo sem troféu, a Ferrari melhorou nos últimos anos

Tecnicamente, é preciso considerar em muito o crescimento da Ferrari nos últimos anos enquanto uma das principais marcas representadas na Fórmula 1. Ao se debruçarem sobre um projeto pronto de 2016 e formatarem um carro bastante competitivo em 2017, os engenheiros da escuderia foram além das expectativas e deram conta do recado em uma temporada que teria, em tese, tudo para ser pior do que realmente foi.

A tendência é a de que os mesmos – e positivos – trabalhos alcancem resultados ainda mais satisfatórios em 2018 se a empresa italiana decidir pela permanência no torneio. Com pneus mais resistentes e melhoras na potência do carro é possível, sim, que a escuderia conquiste vôos maiores na próxima temporada.

Prova disso são os resultados conquistados na última temporada. Embora poucas pessoas acreditassem na briga da Ferrari pelo título, o alemão Sebastian Vettel surpreendeu e terminou a competição no 2º lugar (o campeão da edição foi Lewis Hamilton, da Mercedes). Ou seja, se as estruturas forem mantidas e, sobretudo, melhoradas para 2018, a tendência é que a equipe italiana brigue, sim, por mais troféus no ano que vem.

História

O primeiro título mundial de Fórmula 1 conquistado pela Ferrari aconteceu em 1952 e, nesta que foi a terceira edição da competição, o italiano Alberto Ascari era o piloto da escuderia. O último troféu como 1º colocado no ranking geral, por outro lado, foi conquistado há dez anos, em 2017, por Kimi Raikkonen. Houveram outros títulos neste intervalo de tempo (com destaque para o pentacampeonato de Michael Shumacher de 2000 a 2005) e é por estas conquistas que a escuderia quer e necessita manter sua história viva na divisão de elite do automobilismo mundial.

Além disso, o rótulo de ser a equipe mais antiga em atividade na categoria não pode e nem deve ser desperdiçado apenas por um mau momento. Ao todo, a Ferrari já conquistou 15 Campeonatos Mundiais de Pilotos, 16 Campeonatos Mundiais de Construtores e mais de 200 vitórias em Grandes Prêmios. Com recordes quebrados em boa parte destas conquistas, a entidade já se reergueu em outros diferentes momentos de sua rica história.

Fim do patrocínio

Se o final da parceria com o Banco Santander acontecer em vias de fato, os carros e macacões da Ferrari deixarão de levar a logomarca da empresa. Mais do que isso, 40 milhões de euros (o que representa cerca de 154 milhões de reais) deixariam de adentrar os cofres da escuderia, o que significaria uma perda relevante mesmo que para uma das equipes de maior tradição na Fórmula 1.

Vale lembrar que o patrocínio do Banco Santander atualmente se dá não somente para com a Ferrari, mas também na divulgação das corridas da Fórmula 1 como um todo. Para este segundo trabalho, a empresa investe R$ 38 milhões em patrocínio. Por intermédio de Fernando Alonso, ex-piloto da Ferrari, a parceria entre as empresas começou a valer a partir de 2010, mas, por questões contratuais, pode ser que a mesma seja desfeita para a próxima temporada, embora exista uma pequena possibilidade do Santander ser uma espécie de “patrocinador secundário” da equipe.

Os rumos para 2018

Caso não desista de continuar a ser uma das protagonistas na Fórmula 1 em 2018, a Ferrari buscará encurtar a diferença para as principais escuderias da modalidade (Mercedes e Red Bull Racing/RBR), que, juntas, somam os últimos oito títulos da modalidade. O britânico Lewis Hamilton é o atual campeão, com o alemão Sebastian Vettel sendo tetracampeão entre 2010 e 2013.

Por fim, a certeza de estar no caminho certo (vide os resultados da última temporada) devem dar o gás necessário para que a equipe se reerga e, mais do que isso, conquiste novos títulos nos próximos anos. Com a renovação da equipe de engenheiros e a tradição que somente a Ferrari é capaz de oferecer na modalidade, é possível formatar uma integração única e perfeita em torno de mais troféus a partir de 2018.

Mercedes Fórmula 1 – 2017

O renascimento da sua tradição de Fórmula 1 pela criação de uma equipe de trabalhos para o campeonato de 2010 foi também a plataforma para uma meteórica ascensão na ordem do Grande Prêmio de Fórmula 1.

A equipe tinha gerado uma enorme emoção ao garantir o retorno sensacional de Michael Schumacher, mas as manchetes começaram a seguir o rumo: três pódios chegaram na sua temporada de estréia, todos via Nico Rosberg – que depois reivindicou um grande avanço na China em 2012.

Na temporada seguinte, ele se junta com Lewis Hamilton, proporcionando algumas batalhas épicas valendo o título Mundial. A Mercedes varreu todos antes de se tornar uma das forças mais dominantes da era moderna F1

Mercedes 2017 – Fórmula 1

Nome completo da equipe Mercedes AMG Petronas F1 Team
Base Brackley, Reino Unido
Chefe da equipe Toto Wolff
Chefe Técnico James Allison
Chassis F1 W08 EQ Potência +
Unidade de energia Mercedes
Primeira entrada da equipe 1970
Campeonatos mundiais 3
Final de corrida em primeiro lugar 1 (x56)
Posições de Póli 68
Voltas mais rápidas 40

Carros Fórmula 1 2017

Carros F1 2017 – Confira todos os carros de Fórmula 1 de 2017! Novos modelos apresentados para a temporada de 2017. Qual carro de Fórmula 1 você prefere? Qual te chama mais a atenção? avalie os modelos apresentados para a temporada!

Ferrari 2017:

Ferrari 2017 – Fórmula 1

Mercedes 2017:

Mercedes 2017 – Fórmula 1

Red Bull Racing 2017:

Red Bull Racing 2017 – Fórmula 1

Force India 2017:

Force India 2017 – Fórmula 1

Williams 2017:

Williams 2017 – Fórmula 1

Toro Rosso 2017:

Toro Rosso 2017 – Fórmula 1

Haas 2017:

Hass 2017 – Fórmula 1

Renault 2017:

Renault 2017 – Fórmula 1

Sauber 2017:

Sauber 2017 – Fórmula 1

McLaren 2017:

McLaren 2017 – Fórmula 1

Todos os carros f1 2017, este ano alguma equipes inovaram em seus modelos, utilizando cores diferentes das habituais, o que deixou muito interessante os novos carros.

Começando pela Ferrari, que colocou um pouco mais de branco em seu modelo, deixando de lado o tradicional “todo vermelho”. A equipe Force India inovou bastante ao apresentar seu modelo na cor rosa, se destacando bastante dos demais veículos,

A equipe Renault fez uma composição de amarelo com preto muito interessante no seu carro, deixando-o muito bonito e inovador.

A McLaren Dark, lembra bastante o antigo Lottus pilotado por Ayrton Senna nos anos 80.

Então, qual carro para você é o mais bonito? Comente aí!

Ferrari Fórmula 1 – 2017

Para muitos, a Ferrari e a Fórmula 1 se tornaram inseparáveis. A única equipe a ter competido em cada temporada na história da F1, o cavalo Prancing cresceu a partir do sonho humilde do fundador Enzo Ferrari para se tornar uma das marcas mais emblemáticas e reconhecidas no mundo.

O sucesso veio rapidamente através de Alberto Ascari e de John Surtees, e continuou, dentro entre tempos mais magros, com Niki Lauda nos 1970s e então com Michael Schumacher nos 2000s, quando Ferrari conquistou cinco títulos sem precedentes do campeonato, assegurando seu status como a Equipe mais bem sucedida e decorada na história da Fórmula 1.

Ferrari 2017 – Fórmula 1

Nome completo da equipe Scuderia Ferrari
Base Maranello, Itália
Chefe da equipe Maurizio Arrivabene
Chefe Técnico Mattia Binotto
Chassis SF70H
Unidade de energia Ferrari
Primeira entrada da equipe 1950
Campeonatos mundiais 16
Final de corrida em primeiro lugar 1 (x227)
Posições de Póli 201
Voltas mais rápidas 237

Fórmula 1 – Grande Prêmio do Bahrein 2017 – Resultado

Sakhir – O melhor início da temporada para a Ferrari desde 2008

Sebastian Vettel entrou no fim de semana do Bahrein dividindo a liderança do campeonato com Lewis Hamilton. Ele sai com tudo para si mesmo …

Sebastian Vettel – Vitória Bahrein

  • A vitória de Sebastian Vettel foi o seu terceiro no Bahrein, ea 44 ª vitória de sua carreira. O único outro piloto com três triunfos no Barém é Fernando Alonso.
  • É a primeira vez que a Ferrari venceu duas das três primeiras corridas para começar uma temporada desde 2008, quando Kimi Raikkonen e Felipe Massa foram todos vitoriosos.
  • A última vez que um único piloto da Ferrari venceu duas das três corridas de abertura foi Michael Schumacher todo o caminho de volta em 2004. A única outra vez que Vettel venceu duas das três primeiras rodadas foi em 2011 – sua segunda campanha vencedora do título.
  • Ao terminar em segundo lugar, Lewis Hamilton ultrapassou Alain Prost para a guarda exclusiva do segundo lugar na lista de pódio de todos os tempos. O britânico agora está em um rostro de F1 107 vezes – embora ele ainda está cerca de 48 curto de Michael Schumacher do recorde.
  • Hamilton também está em uma corrida de oito pódios consecutivos termina, que remonta ao Japão no ano passado. Ele vai ter que marcar tantos novamente para igualar o seu próprio recorde pessoal – e outros 11 para coincidir com o recorde de Michael Schumacher de todos os tempos de 19.
  • Um dia depois de se tornar o quinto finlandês a conquistar a pole na F1 (depois de Keke Rosberg, Mika Hakkinen, Kimi Raikkonen e Heikki Kovalainen), Valtteri Bottas marcou o seu 11º pódio – e o seu primeiro no Bahrein. Bottas agora tem tantos acabamentos como Jarno Trulli, Chris Amon e Patrick Tambay.
  • Kimi Raikkonen não conseguiu somar ao seu recorde oito pódios no Bahrein. É apenas a segunda vez nos últimos seis anos que ele não está na tribuna em Sakhir.
  • A forma indiferente de Red Bull em Bahrain continuou, com Daniel Ricciardo seu único finisher em quinto lugar. A equipe de Milton Keynes não está no pódio em Sakhir desde 2013.
  • Felipe Massa continuou mostrando por que Williams estava tão interessado em sair da aposentadoria quando terminou sexto pela segunda vez em três corridas.
  • Williams precisa muito do brasileiro para continuar marcando porque Lance Stroll ainda está aguardando seu primeiro resultado na F1. O canadense se aposentou dos três Grandes Prêmios até agora nesta temporada, registrando apenas 52 voltas de corrida – quatro menos do que Pascal Wehrlein, que perdeu as duas rodadas de abertura …
  • Falando em Wehrlein, o 11º lugar representa o seu segundo melhor resultado na F1, o alemão derrotado à décima posição pelo ex-companheiro de equipa Esteban Ocon, que terminou no último ponto marcando pontos pela terceira corrida seguida.
  • O companheiro de equipe do Ocon, Sergio Perez, terminou em sétimo lugar, estendendo sua própria pontuação para 13 corridas consecutivas – a maior corrida de qualquer piloto na grelha.
  • O sucesso de Perez e Ocon significa que Force India continua a ser a única equipe além de Ferrari e Mercedes para conseguir ambos os carros para casa nos pontos em cada corrida.
  • Romain Grosjean conquistou os primeiros pontos da temporada quando terminou em oitavo lugar – a mesma posição que o companheiro de equipe da Haas, Kevin Magnussen, terminou na China. Nico Hulkenberg também marcou seus primeiros pontos (e Renault) em 2017 como ele veio casa nona.
  • A forma miserável de McLaren continuou como uma questão de unidade de poder impediu Stoffel Vandoorne de tomar o início. Esse é o terceiro ano consecutivo em que a corrida começou sem um conjunto completo de carros na grade.
  • Fernando Alonso, entretanto, não conseguiu ver a bandeira xadrez para a terceira corrida em uma fileira, embora o espanhol fez completar voltas para ser classificado em 14 º. Será que o campeão mundial duplo finalmente chegar ao final da corrida na Rússia?

Formula 1 – Grande Prêmio do Bahrein 2017 – Grid de Largada

Valtteri Bottas assumiu a sua primeira pole position na Fórmula 1 depois de derrotar o companheiro de equipa Mercedes Lewis Hamilton por apenas 0,023s na sessão de qualificação de sábado para o Grande Prémio de Fórmula 1 da Gulf Air Bahrain de 2017. Sebastian Vettel, da Ferrari, terminou em terceiro, à frente do Daniel Ricciardo, da Red Bull.

Grid Largada Bahrein 2017

Pos No Driver Car Q1 Q2 Q3 Laps
1 77 Valtteri Bottas BOT Mercedes 1:31.041 1:29.555 1:28.769 12
2 44 Lewis Hamilton HAM Mercedes 1:30.814 1:29.535 1:28.792 13
3 5 Sebastian Vettel VET Ferrari 1:31.037 1:29.596 1:29.247 12
4 3 Daniel Ricciardo RIC Red Bull Racing TAG Heuer 1:31.667 1:30.497 1:29.545 12
5 7 Kimi Räikkönen RAI Ferrari 1:30.988 1:29.843 1:29.567 16
6 33 Max Verstappen VER Red Bull Racing TAG Heuer 1:30.904 1:30.307 1:29.687 12
7 27 Nico Hulkenberg HUL Renault 1:31.057 1:30.169 1:29.842 15
8 19 Felipe Massa MAS Williams Mercedes 1:31.373 1:30.677 1:30.074 12
9 8 Romain Grosjean GRO Haas Ferrari 1:31.691 1:30.857 1:30.763 16
10 30 Jolyon Palmer PAL Renault 1:31.458 1:30.899 1:31.074 15
11 26 Daniil Kvyat KVY Toro Rosso 1:31.531 1:30.923 12
12 18 Lance Stroll STR Williams Mercedes 1:31.748 1:31.168 12
13 94 Pascal Wehrlein WEH Sauber Ferrari 1:31.995 1:31.414 15
14 31 Esteban Ocon OCO Force India Mercedes 1:31.774 1:31.684 12
15 14 Fernando Alonso ALO McLaren Honda 1:32.054 8
16 55 Carlos Sainz SAI Toro Rosso 1:32.118 5
17 2 Stoffel Vandoorne VAN McLaren Honda 1:32.313 8
18 11 Sergio Perez PER Force India Mercedes 1:32.318 7
19 9 Marcus Ericsson ERI Sauber Ferrari 1:32.543 9
20 20 Kevin Magnussen MAG Haas Ferrari 1:32.900 8